Conversão é uma decisão, um caminho para a vida toda, pois Deus sempre tem algo para ser realizado, transformado em nós. Deus nunca termina sua obra, Ele nunca desiste de nós. Em Romanos diz assim: “Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis os vossos corpos por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus” (Rm 12.1-2).

Temos de lutar com todas as forças contra o pecado porque ele nos separa de Deus e mata a nossa alma. São Tomás de Aquino diz que “há duas mortes; a primeira quando o corpo se separa da alma, a segunda quando a alma se separa de Deus”. Para a primeira haverá a ressurreição; mas para a segunda não há solução, a alma se separa definitivamente de Deus, é o inferno, a frustração absoluta e definitiva. Temos de aprender a nos deixar transformar pelo Senhor. A conversão é uma graça que nos é dada. É preciso oferecer ao nosso coração o que mais ele deseja e necessita: Nosso Senhor.

Quando bato na porta do coração de Jesus e digo: sou pecador, necessito de Sua misericórdia. Então a porta do coração de Jesus que há tanto me espera, será aberta. No coração de Jesus poderei encontrar tudo aquilo que necessito. Eu necessito de conversão, eu necessito de mudança, e a porta se abrirá e lá poderemos nos preparar para o Céu.

O coração de Jesus é a antessala do Céu. Ele diz: vinde a mim todos vós que estais cansados. Ele quer tirar os nossos fardos da vida, e deseja de nossa parte, uma entrega incondicional para agir em todo o nosso ser, nos dando o Seu Santo Espírito para sermos livres de todo peso, de toda luta que nos impede de sermos inteiramente Dele.