Quando, no caminho, desejamos e dizemos: “não basta, eu quero mais, eu quero está com ele (o fundador), eu quero fazer parte da intimidade dessa comunidade, eu quero viver o meu dia com eles.” Aí é preciso decidir por Deus, ser capaz de deixar tudo, de deixar a si mesmo para estar num lugar, em outro lugar que não foi o desejado, o sonhado por si mesmo, mas pelo próprio Deus. É totalmente outra coisa.

É preciso crer na inspiração do fundador! Mas o fundador precisa crer primeiro na inspiração do Carisma dado por Deus. Nós, os membros, precisamos crer com ele, se nós não cremos com ele, não há uma Fundação. O fundador funda uma obra porque existem discípulos que fundam com ele. Se ele crê na inspiração do carisma e nós não cremos, nos omitimos, nos retiramos daquela graça, daquele convite, daquele Deus admirável, que quer tornar-nos admiráveis também diante Dele e diante dos homens. Somos consagrados para encontrarmo-nos com O admirável, mas passamos pelo sofrimento da quebra do orgulho, da soberba e da desobediência, não somos consagrados para sofrer. Mas é preciso passarmos pela purificação da história, do próprio ser para sermos admiráveis diante de Seus olhos.

A vida consagrada exige que estejamos juntos, crendo na inspiração do nosso fundador. Se você tem dificuldade para crer na inspiração do fundador, não é o seu lugar. Muitos gritam, Lúcifer gritou, porque não queria servir Jesus humano: “não te servirei!”. Que esse não seja o nosso grito, que gritemos pelo socorro de Deus. Para chegar na consagração, nós precisamos passar por estes tempos onde nós vamos sendo vitoriosos, com vitórias dentro de nós. Em que nós vamos assumindo um sonho que não é “o meu”, mas é um sonho comum. O sonho do fundador é o meu sonho, a inspiração dele é a minha inspiração, o projeto dele é o meu projeto. Dizendo isso ao fundador, estou dizendo a Deus através dessa autoridade espiritual.

Também faz parte da consagração uma vida regrada: “isto sim e isto não”. Como vai ser a nossa vida? A nossa vida vai ser assim. Quer viver a nossa vida? A vida do consagrado tem princípio e tem fim. Mas durante o dia podem ter mudanças, tempestades, pode haver doenças, pode haver dificuldades, surpresas. Surpresas muitas vezes contrárias as nossas vontades, planejamentos, até atingir os nossos nervos vitais. Essa vida é de bem-aventuranças, somos chamados a ela, e um consagrado não troca essa vida por nada.