Nas Novas Fundações, essa nova primavera na Igreja, se vive a vida em Deus como leigo consagrado. A consagração de vida é justamente a vivência do chamado batismal dentro de um Carisma particular, sendo testemunha no mundo dos valores do Reino. Estamos no mundo, mas não somos do mundo.

É um estilo de vida que participa do profetismo de Cristo, ungido pelo Espírito Santo no seu batismo, no rio Jordão, para ser profeta das nações. O leigo consagrado é chamado a conformar-se com Cristo; a vida, a forma é a pessoa de Jesus, sua humanidade. Assumir a forma de Cristo, tanto no sofrimento quanto na glória, formados pelo Espírito Santo a ponto de tornar-se um outro Cristo. É o que São Paulo dizia a São Timóteo: “Eis uma verdade absolutamente certa: Se morrermos com ele, com ele viveremos. Se soubermos perseverar, com ele reinaremos” (2Tm 2,11). Diziam os Santos Padres da Igreja: “Christianus alter Christus”, isto é, “o cristão é um outro Cristo” exatamente por ser membro do Corpo de Cristo e viver do Seu mesmo Espírito. Esta é a missão, o caminho, este é o objetivo a alcançar: consagrados pelo Batismo num Carisma particular e tornar-se como Ele.

Com o pecado foi quebrada a consagração, a castidade, a obediência e a pobreza original. Deus, que fez o céu e a terra, toda a Sua criação, para que existisse o homem e a mulher, para que eles fossem Seus, suas criaturas, com o pecado, houve o rompimento, se desintegrou o projeto de Deus: o homem e a mulher que deveriam voltar-se para Deus, se voltam para si mesmos, para os seus interesses e se tornam o centro.

Por isso o Pai, em Sua infinita misericórdia, chama seus filhos desintegrados pelo pecado para uma nova vida, e renova essa consagração em Jesus Cristo, numa forma toda nova, com a ação da graça, pelo Batismo, a uma radicalidade e um amor profundo pelo Evangelho. Chamados a converter-se em santos, segundo a afirmação do apóstolo Paulo: “Esta é, de fato, a vontade de Deus: a vossa santificação” (1 Ts 4,3).

E neste tempo, pós Concílio Vaticano II, há um novo chamado para que os leigos efetivamente se ocupem na construção do Reino de Deus, assumindo o seu Batismo. Uma família composta por jovens e adultos, mulheres e homens, nos diversos estados de vida, tendo em comum: chegar à santidade.