Deus é um só, mas Nele há Três Pessoas divinas, distintas e de igual majestade: o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Não foi a Igreja quem inventou isso, foi Jesus mesmo que nos revelou. Falou dele como Deus, falou do Pai e do Espírito Santo. Jamais alguma inteligência humana poderia entender quem é Deus na sua essência.
Jesus cumpriu sua missão de Salvador, voltou para o seio da Trindade e enviou o Espírito Santo para conduzir a Igreja e santificar os fiéis.

Aproximar-nos desta Pessoa Divina e ser amigos d’Ele nos faz conhecer Sua Palavra e o Seu poder, só pelo Espírito Santo podemos dizer: Jesus Cristo é o Senhor. E pelo mesmo Espírito conhecer e experimentar o amor de Deus Pai.
O primeiro grande fruto da amizade com o Espírito Santo é a experiência do amor de Deus e a salvação em Jesus Cristo, proclamando Seu senhorio.“Ninguém será capaz de dizer: “Jesus é Senhor”, a não ser sob influência do Espírito Santo” (cf. I Cor 12, 3b).
Ele nos purifica dos nossos pecados. “Manda teu espírito, são criados, e assim renovas a face da terra” (Sl 104, 30). Ilumina e abre a nossa inteligência: “O Espírito Santo que o Pai enviará em meu nome, ele vos ensinará tudo” (cf. Jo 14, 26). O Espírito Santo nos ensina a ser dóceis e a obedecer aos mandamentos do Senhor: “Porei em vós o meu espírito e farei com que andeis segundo minhas leis e cuideis de observar os meus preceitos” (cf. Ez 36, 27).
Este Amigo Divino confirmará a esperança da vida eterna, pois Ele é o penhor da herança dada por Cristo Jesus: “Nele acreditastes e recebestes a marca do Espírito Santo prometido, que é a garantia da nossa herança, até o resgate completo e definitivo, para louvor da sua glória” (Ef 1, 13-14). Ele revela aos nossos corações que de Deus nós somos filhos, devolve a dignidade e a convivência perdida pelo pecado original: “E a prova de que sois filhos é que Deus enviou aos nossos corações o Espírito do seu Filho, que clama: ‘Abbá, Pai!’” (Gl 4, 6).