O Julgamento objetivo é quando algo está expresso nas atitudes da pessoa e posso dizer porque estou vendo, por exemplo: “o fulano roubou a mala do sicrano, por isso é ladrão”. E por conhecimento da Palavra de Deus posso julgar essa atitude como um mal. A Palavra de Deus nos ensina o verdadeiro juízo sobre as ações (boas ou más).

O Julgamento que não devemos fazer é o subjetivo, em que nos colocamos no lugar de juízes para condenarmos ou falarmos mal a respeito do nosso irmão ou nosso próximo segundo a nossa própria avaliação. Isso não se refere ao discernimento que nós como cristãos precisamos ter em relação aqueles que praticam o mal ou ensinam a perversidade. E até em relação as nossas próprias atitudes, podermos nos avaliar e pedir o auxílio do Senhor para que nos ajude a sermos melhores. É o Senhor quem transforma a nossa vida e nos mostra os seus caminhos.