Para chegarmos a graça da lucidez é preciso compreender que ela é necessária para começarmos e para prosseguirmos. Podemos ver claramente o que se deve fazer, porém, sem a graça nada podemos. A vida de consagrados que vivemos exige de cada um uma postura interior de busca e de abertura ao Espírito Santo, Ele mesmo nos dá clareza das coisas, nos alarga a visão e nos ensina a olhar em volta e saber discernir se algo é um bem ou um mal.

Se reconhecemos bem o sentido da nossa vocação, da consagração de vida num carisma particular, vamos viver o caminho e os desafios a serem enfrentados. O Espírito Santo que está presente em nosso coração, inicia um verdadeiro caminho de lucidez, nos levando ao conhecimento de nós mesmos em Deus e da presença Dele no concreto da própria história, purificando-nos assim com este movimento, nos levando a obediência à vontade de Deus. É um processo que vai acontecendo no caminho de cada membro que responde com a conversão, santidade e maturidade, existe ainda muito o que ser transformado de tudo aquilo que cada um traz de corrompido dentro.

O sentimentalismo é algo contrário à lucidez, pois muitas emoções, desejos, sentimentos, prazeres, gostos, paixões moram com muita ambiguidade em nosso coração. A luz da verdade que habita em nós desencadeia o discernimento, essa verificação no amor, essa confrontação com a realidade, que provoca no membro uma decisão de fazer o que se tem de fazer e dizer o que se tem de dizer.

Para a autoridade é necessário ter este olho espiritual, porque esta mesma já tem uma experiência de vida espiritual, portanto não dá mais para não ver as coisas que acontecem no interior da comunidade, os problemas pessoais, vocacionais e comunitários não se resolvem sozinhos, é preciso confrontar a situação, olhar de frente e procurar como resolver, o que fazer e como fazer.

Deus deseja encontrar nas Novas Fundações essa disponibilidade a acolhê-Lo de maneira radical para que Ele possa se manifestar e cumprir a sua redenção. Não estamos abandonados às nossas ambiguidades, incapacidades, pecados e derrotas. Somos chamados a um confronto constante e sincero da Palavra de Deus conosco, o Espírito de Deus vem reajustar o caminho da vida, nos dá o discernimento para separarmos o que vem Dele do que lhe é contrário, com base na revelação. O que vem do Espírito é o bem, vontade de Deus e o que lhe é contrário é mal (do demônio com sua maldade e da maldade do homem). Deus deu este dom ao homem, essa marca: faz o bem e evita o mal, todos nós a temos para força e realização da própria vocação.