O Sacramento da confissão nos traz muitas bençãos espirituais e não há graça maior do que sermos perdoados por Deus; o Papa João Paulo II disse certa vez que “os consultórios dos psiquiatras estão lotados, porque os confessionários estão vazios”.

Quando pecamos, sentimos a dor do pecado cometido, de termos ofendido a Deus e de nos ter afastado Dele. A consciência de nossas misérias nos leva ao arrependimento, nesse momento, é o próprio Espírito Santo que nos fala: “Tira logo esse mal do teu coração.” O arrependimento é uma visita de Deus, que nos sinaliza com amor aquilo que está nos levando a perdição.

A Confissão cura as chagas da nossa alma, além disso, faz crescer em nós as forças espirituais para sermos fiéis a Deus. Mas muitos católicos tem se afastado desse Sacramento, em que Deus nos perdoa através da mediação de um sacerdote (“a quem vocês perdoarem os pecados, os pecados estarão perdoados” – Jo 20, 22 ) e, que significa a maior das misericórdias de Deus para conosco – o perdão de nossos pecados, que são o câncer de nossa alma.

Os que recebem o sacramento da Penitência com coração contrito e disposição religiosa, “podem usufruir da paz e tranqüilidade da consciência, que vem acompanhada de uma intensa consolação espiritual” (Conc. Trento, DS, 1674). O sacramento da Reconciliação com Deus restaura a dignidade da vida dos filhos de Deus e nos fortalece para todo o combate espiritual.