Os homens e mulheres de boa vontade que estão atentos a realidade do mundo de hoje, estão percebendo que está ocorrendo uma espécie de hierarquia de sinais dos nossos tempos.
Primeiro aconteceu uma “intervenção na linguagem”, para mudar de modo intencional o sentido das palavras, para que as pessoas aceitassem como certo o errado; e acolhesse o errado como sendo certo. Esta intervenção na linguagem se trata de um ataque a origem humana, pois o homem e a mulher foram criados através da Palavra. Foi o Verbo de Deus que ordenou tudo o que estava no caos. A mudança intencional da linguagem provoca a desordem no mundo, por rejeitar o que já havia sido ordenado pelo Verbo Divino.

Depois houve uma “generalizada artificializarão do corpo” do homem e da mulher, através de comportamentos unissex, e também através do uso de contracepção. Esta artificializarão foi tão profunda que criou um ambiente fértil para que surgisse uma geração de homens e mulheres, que não reconhecem mais a natureza do próprio corpo. Depois da artificializarão do corpo humano surgiu logo em seguida a artificializarão da natureza dos alimentos, a ponto de chegar se tornar raro, uma mãe de família encontrar nos mercados, alimentos que sejam totalmente naturais para oferecer na mesa da família.

Por fim, hoje estamos contemplando um dos sinais mais evidentes de nosso tempo, que é a “pressa”. A “pressa” que está ocorrendo os acontecimentos no mundo . Esta pressa pode ser um reflexo do combate que ocorre no mundo espiritual, pois haverá um tempo que não terá mais tempo (Mt 25, 10).

Vemos a “pressa no mundo das leis”, onde com muita rapidez se busca legalizar aquilo que é ilegal. Pressa também em apresentar uma solução rápida, para o “caos” que hoje o mundo vive no campo da saúde. A rapidez, acompanhada da agitação, na área da saúde pode comprometer a segurança oferecida para a população.
Por outro lado existe a manifestação clara da “pressa que é salvífica”, onde os nossos corações desejam o mesmo que Cristo. Santa Faustina disse em seu Diário (nº291) que Jesus “apressa-Se” a Se entregar para as almas, para santificá-las e salvá-las.

Os católicos também aprenderam com Nossa Senhora a suplicar com “pressa” o socorro do céu, quando vemos a humanidade em perigo. É isto que rezamos no Ofício da Imaculada: “Dai pressa Senhora em favor do mundo, pois a reconhece como defensora”.

Que as famílias católicas, com a ajuda de Nossa Senhora, possam se “apressar” em ajustar o que ainda não está ordenado e que coloca em risco a salvação de nossa família, pois haverá um tempo que não terá mais tempo (Mt 25, 10).

Cleonice Macedo Kamer